sexta-feira, setembro 08, 2006

A MATANCA ou "MATANCIA"

Incluido nas "Terras de Algodres", existiu um muito antigo concelho de nome: Matanca. Teve o primeiro Foral em 1358 concedido por D. Afonso III, confirmado por um foral novo, dado por D. Manuel I no seculo XVI.
Este concelho que presistiu ate as reformas liberais de 1836, era identificado desde a epoca medieval pela denominacao de: "Terra da Matancia".

Querem alguns autores que o toponimo "Matanca", venha do facto de neste local ter havido uma grande batalha, na qual tenha morrido muita gente.
Perduram ate hoje, lendas de lutas entre Romanos e Vandalos e entre Cristaos e Mouros, mas que sao impossiveis de provar, por falta de documentos desses tempos.
No entanto, gente menos romantica, muito mais pratica e ate talvez mais certa, defende que a origem do toponimo tem muito mais que ver com; mato, matagal; terra inculta e por desbravar. Seriam da mesma origem toponimos beiraos vizinhos como; Matela, Matados, etc.
Embora nao se possa descartar totalmente, a primeira hipoteze da origem do nome desta terra, faz muito mais sentido a segunda versao.

Esta regiao e habitada ha pelo menos 5000, pelas datacoes conseguidas atravez dos achados da Anta das Corgas, ou Casa da Orca das Corgas, como o povo identifica este monumento megalitico. E no entanto provavel, que tenha tido um retrocesso habitacional na alta idade media. Tem sido descobertos alguns indicios de que foi habitada pelos romanos, havendo quem afirme que passava por esta antiga vila, uma estrada construida por essa gente que ligaria Viseu a Trancoso.

Servindo de entrada a povoacao, existem hoje duas belissimas pontes medievais, mas provavelmente de fundacao romana. Uma com um arco sobre a Ribeira das Forcadas e outra de dois sobre o Rio Carapito, perto da qual ainda presistem restos de uma calcada romana.

A sua Igreja Matriz que datara dos seculos XIII ou XIV, e de invocacao de Santa Maria Madalena, ja era uma igreja importante no tempo do Rei D. Dinis, que a taxou para a guerra contra os mouros em 40 libras. Esta igreja embora modificada no seculo XVIII conserva ainda o seu portal romanico, nela se podem ver ainda algumas pedras sigladas carateristicas da epoca medieval.

Desses tempos da primeira dinastia, deve datar tambem a ermida de Santa Eufemia, situada perto a povoacao da Fonte Fria. E uma capela romano-gotica com um portal ogival e cachorrada com figuras animalescas na capela mor.

O pelourinho desta antiga vila datara do seculo XVI, sendo contemporaneo do segundo foral, e tipo gaiola, embora de arquitetura invulgar.

Junto a aldeia das Forcadas, encontra-se uma necropole que datara da alta idade media, conserva mais de duas dezenas de sepulturas escavadas na rocha, com formas ovaladas e retangulares, o que por si so prova a importancia destas terras, ja nesses tempos de antanho.

Alem dos monumentos mencionados, existe na area do antigo concelho e hoje freguesia, a belissima capela barroca de Sao Miguel, situada na estrada da Fonte Fria. E a pequena capela da Senhora dos Milagres, com portal romanico, junto a ponte do Rio Carapito.

2 comentários:

O Micróbio II disse...

Um poço de sabedoria histórica sem fundo... :-)

Toni disse...

É por este nomes e outros e pela estranheza possam gerar,que nos torna únicos.
Abraço fornense.