quarta-feira, outubro 25, 2006

CADOICO ou "Cadouco" Continuacao

Talvez nao tenham reparado, mas quando me comecei a referir, as varias povoacoes do concelho de "Fornos", decidi colocar nas entradas umas quadras. A maior parte delas sao de minha autoria, embora possam quando em vez, aparecer algumas populares incluidas.
Queiram desculpar-me pela minha falta de geito, "mas quem faz o melhor que sabe e pode", a mais nao e obrigado, assim me ensinaram.

Entao aqui vao duas quadras dedicadas ao Cadoico, que tinham ficado atrazadas:

Esta aldeia do Cadoico,
Tem boa gente, e boa terra.
Mas esta de costas para Fornos,
Virada para a Mesquitela.

Esta muito bem situada,
Junto a ribeira e virada a "Estrela",
E Nossa Senhora das Preces,
Esta numa antiga capela.

sexta-feira, outubro 20, 2006

CADOICO (Com cedilha no c)

E uma graciosa povoacao, situada no planalto de "Alem Mondego" ou "Pe de Serra" e junto a Ribeira de Linhares, onde foi recentemente construida uma aprazivel praia fluvial.
Esteve ate 1855 junto com a freguesia da Mesquitela, englobada no antiquissimo concelho de Linhares, tendo nesse ano passado para o de Celorico da Beira, devido a extincao daquele concelho.
Por decreto de 13 de Janeiro de 1898, foi desanexada da freguesia da Mesquitela e incluida na de Juncais, passando com esta freguesia a pertencer ao municipio de Fornos de Algodres.
Do seu toponimo, que ainda em fins do seculo XIX era "Cadouco", (com cedilha) nao consigo com os meus fracos conhecimentos encontrar origem.
Embora como informei tivesse passado a pertencer a Juncais, esta mudanda foi so a titulo da jurisdicao civil, pois ate hoje, continua a fazer parte da paroquia de Nossa Senhora do Rosario da Mesquitela, o que quanto a mim nao fara muito sentido, mas as demarcacoes civis e religiosas quase nunca sao coincidentes, e a Igreja Catolica la tera as suas razoes.
Nesta aldeia existe uma capela de invocacao de Nossa Senhora das Preces, o templo deve datar do seculo XVII ou XVIII, tem boa cantaria , mas o que sobressai mais na fachada e o que aparenta ser uma concha ou "vieira", havendo em Juncais quem queira relacionar este simbolo com o culto de S. Tiago (patrono daquela freguesia) e ao mesmo tempo incluir este templo nalgum dos "caminhos de S. Tiago".
Ate podera haver alguma relacao, no entanto eu nao o considero, porque pertencendo esta capela a Igreja da Mesquitela desde sempre, nao conheco ai nenhum culto a S. Tiago, alem disso esta cantaria e sem grandes duvidas oitocentista, quando as romagens a Compostela, ja estavam em desuso na nossa regiao.
Para alem do referido, existe nesta capela um campanario antigo, que sera originario de construcao anterior, nele podem ver-se varias gravacoes entre as quais algumas cruzes da Ordem de Malta. Podendo a construcao original ser devida a accao de algum cavaleiro daquela Ordem.
Nesta povoacao existe escola "primaria" desde principios do seculo XX, no entanto foi desactivada a cerca de quatro anos por falta de alunos. O edificio data de 1940 tendo sido construido durante a celebracao dos "Centenarios Nacionais".
Embora com uma populacao envelhecida, esta aldeia encontra-se bastante bem conservada, com ruas e escadarias cuidadas e com candieiros de iluminacao estilo antigo.
A titulo de curiosidade devo registar, que residiu ate ao seu falecimento nesta terra, um individuo que foi durante anos o homem mais velho de Portugal. Chamava-se: Jose Ferreira de Andrade, era natural de Figueiro da Granja, e faleceu no ano 2000 com 109 anos de idade. Teve a profissao de alfaiate, conservando ate a sua morte todas as suas faculdades fisicas e mentais, era uma pessoa extrovertida e com atributos de poeta popular.

quarta-feira, outubro 18, 2006

BARREIRA

A Barreira e uma pequena povoacao, que ha falta de mais informacao, creio datar tambem do seculo XVI ou XVII, tal como as Aveleiras, sempre esteve incluida na freguesia de Queiriz e ate 1836, ao concelho de Penaverde, altura em que com o resto da freguesia passou para o de Fornos.
O seu toponimo, tanto podera derivar de pequena encosta, como de "barreiro". (sitio onde existe barro) Teve origem numa quinta e, ainda hoje nao passa de uma pequena povoacao.
Tanto quanto tenho conhecimento, nao existe nesta terra nenhum monumento nem nada que mereca especial realce.

Quinta ou "povo" da Barreira,
Freguesia de Queiriz.
Tem pouca mas boa gente,
Pois foi assim que Deus quiz.

quarta-feira, outubro 11, 2006

AVELEIRAS

Depois de me ter referido, (historicamente) a cada um dos antigos concelhos incluidos nas "Terras de Algodres", vou referir-me a partir de hoje as varias povoacoes do actual concelho de Fornos de Algodres.
Porque embora umas maiores que outras, para mim todas as localidades sao importantes, vou iniciar por ordem alfabetica, e, como me ja referi a Algodres, hoje e a vez de: "AVELEIRAS"

Como o nome quer indicar, embora nem sempre o que parece e, suponho que a toponimia desta povoacao tenha que ver com a "avelanzeira", (planta das avelas)
naturalmente e uma planta, que se da muito bem na regiao, havendo-as em abundancia a altura da fundacao, devera ter sido a razao do toponimo a aldeia.

Esta pequena povoacao sempre pertenceu a freguesia de Queiriz, que e antiquissima pois dela ja ha referencia documental desde o seculo XII.
No entanto suponho que esta aldeia deve datar quando muito do seculo XVI.
Tal como Queiriz, pertenceu ao extinto concelho de Penaverde, ate que em 1836 passou com a freguesia para o de Fornos de Algodres.

Para alem da Capela do Divino Espirito Santo, nao existe nesta terra nenhum outro monumento, esta capela data do seculo XVIII e embora um pouco adulterada enquadra-se dentro do estilo popular beirao onde o granito impera. Aqui se realiza uma festa a Terceira Pessoa da Trindade crista, mas como e uma festa movel nao tem data certa, sendo normalmente em Maio ou Junho.

Querida aldeia das Aveleiras,
Freguesia de Queiriz.
Aqui tem o Espirito Santo,
Uma capela, que o povo fez de raiz.

segunda-feira, outubro 02, 2006

OUTUBRO Festas e Romarias

Como o prometido, ca estou novamente a divulgar as festas e romarias do Concelho de Fornos de Algodres, deste mes de Outubro. (as por mim conhecidas)

Como o verao ja terminou, tambem tendem cada vez a ser em menor numero, no entanto ainda se realizam algumas:

Outubro; "Mes da SENHORA DA SAUDE"

Terceiro fim de semana: Juncais.

Nesta aldeia realiza-se desde a decada de trinta do seculo passado, a festa em honra de Nossa Senhora da Saude, consta de arraiais populares nas noites de Sabado e Domingo, em que se podem apreciar os petiscos regionais entre os quais o afamado "peixinho do Rio".
No domingo realizam-se as normais missa solene e prossicao, pelas ruas da aldeia.

Esta festa que nao tem muita razao de ser, comecou a realizar-se quando a povoacao de Vila Soeiro do Chao, foi desagragava desta freguesia e constituiu freguesia propria, pois naquela aldeia que ate aos anos trinta, fazia parte desta freguesia, desde tempos imemoriais se celebra esta denominacao de Maria.


Quarto fim de semana: Vila Soeiro do Chao.

E uma das mais concorridas romarias e festas do concelho de Fornos. A Senhora da Saude comemora-se nesta aldeia desde ha muito tempo, junta romeiros do nosso concelho e principalmente de grande parte do de Celorico da Beira.
Para alem das romagens pessoais aqui tambem se realizam as tradicionais "romarias de ovelhas" ja descritas nesta seccao do mes de Setembro. (previous posts)

Tal como a anterior consta de arraiais populares, nas noites de Sabado e Domingo, com missas e procissoes, sendo de realcar o final "adeus a Virgem" no final da procissao solene.

Esta invocacao da Virgem Maria: "Senhora da Saude" causa desde tempos mais remotos (e ainda hoje) uma rivalidade muito acentuada entre as povoacoes de Vila Soeiro e Juncais, pois quando a capela desta aldeia foi elevada a categoria de igreja paroquial, consta que os naturais desta nova freguesia, foram ao limite de Juncais buscar uma pedra, com a qual desejavam esculpir a pia batismal, talvez para se afirmarem ainda mais como independentes.
Acontece que sabendo isto os de Juncais, vieram pela noite tentar "roubar" a bendita pedra, mas os naturais desta aldeia nunca o permitiram, e certo que nunca a pia batismal foi esculpida naquela pedra, que presentemente se encontra cimentada num dos largos desta terra.
Tambem tentaram por varias vezes levar para a igreja de S. Tiago de Juncais a imagem da Virgem, pelo que para obviar esse possivel desvio, a populacao decidiu mandar fazer uma outra imagem, que se conserva todo o ano na paroquial de Vila Soeiro do Chao e a imagem original foi entregue a ordem da familia Castilho, so dai saindo no dia da festa, para as celebracoes e prossicao.
Nunca tendo conseguido os seus intentos, os habitantes de Juncais nao lhes restou outra alternativa que mandar fazer outra imagem da Virgem Maria (que por sinal e bem diferente desta de Vila Soeiro) com a mesma invocacao, com a qual celebram a festa no fim de semana anterior.
No entanto ate a pouco tempo (nao sei se ainda hoje) neste mesmo fim de semana realizava-se uma nova festa popular em Juncais para competir com a freguesia de Vila Soeiro do Chao.
A igreja de Vila Soeiro do Chao, embora com um interior mais moderno e dentro das recomendacoes do concilio Vaticano II, feito na decada de setenta do seculo XX. Conserva o seu exterior original, e barroco e com boa contaria com volutas e outros efeitos decorativos deste estilo, data do seculo XVIII.


Exposicao "Outros Olhares": Fornos de Algodres.

Encontra-se ate ao dia 16 de Outubro, uma exposicao interessante no edificio municipal desta vila, com o titulo "Outros Olhares". E da responsabilidade do Museu de Zoologia da Universidade de Coimbra e parte do programa de divulgacao, daquele novel museu.
Vao ve-la que e interessante.

Continua tambem neste mes de Outubro no: CHIAFA (Museu Arquelogico de Fornos de Algodres) a exposicao; "Devocao das Almas", promovida pela junta de freguesia de Juncais, foi inaugurada no passado mes de Setembro, dentro do programa das Jornadas Europeias do Patrimonio.

Para o mes que vem ca estarei novamente. Entretanto se tiverem tempo, venham ver coisas diferentes nas "Terras de Algodres".